Avianca Brasil cancela mais de 1.000 voos até domingo (28)

A Avianca Brasil inicia a semana em um dos momentos mais críticos de toda a sua história. A companhia, que está em recuperação judicial desde dezembro do ano passado, vai cancelar 1.045 voos de hoje (segunda-feira, dia 22) até o próximo domingo (28). Os cancelamentos se devem a drástica redução de frota da empresa.

A partir de hoje, a Avianca Brasil inicia a devolução amigável de 18 aeronaves – de um total de 25 – para empresas de leasing que conseguiram na justiça o direito de retomar os equipamentos após a falta de pagamento por parte da companhia aérea. Os acordos com os lessores GECAS (7 aeronaves), PK (1 aeronave), Vermillion (4 aeronaves) e ACG (6 aeronaves) foram intermediados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Os hubs (aeroportos com maior concentração de voos e conexões) da Avianca Brasil foram os mais prejudicados com os cancelamentos, são eles: Guarulhos (SP), Galeão (RJ) e Brasília. Já os aeroportos de Congonhas e Santos Dumont são os terminais que quase não tiveram mudanças em suas operações. Isto demonstra o interesse da companhia em preservar a operação nos dois aeroportos e na rota mais concorrida do País.

LEILÃO E CONCORRENTES
Paralelamente ao esforço que a Avianca vem fazendo para continuar operando, a empresa aguarda ansiosamente o leilão de seus ativos, agendado para o dia 7 de maio. Inicialmente, Azul foi a primeira concorrente a demonstrar interesse na companhia de José Efromovich. Dias depois, Gol e Latam anunciaram acordo com os credores da companhia oferta em leilão de partes da empresa em recuperação judicial.

Na semana passada, o presidente da Azul, criticou as duas concorrentes e afirmou que a medida foi uma manobra para barrar o crescimento da Azul em Congonhas e Santos Dumont. “Concorrência é algo bom para os clientes, mas a Gol e a Latam não quiseram a nossa porque sabem que a Azul tem o melhor produto e estamos entre as dez aéreas mais bem avaliadas do mundo. Eles têm medo disso”, afirmou

Rodgerson chegou a afirmar que o plano da Azul contemplava investimentos de US$ 235 milhões, sendo US$ 105 milhões pela compra e depois mais US$ 130 milhões para manter a operações, incluindo os funcionários. “Infelizmente será difícil chegar até o leilão porque as aeronaves estão sendo devolvidas, algo muito triste para o consumidor”, opinou o executivo.

Orientações aos passageiros: Veja aqui

*Fonte: Panrotas

SUA EMPRESA TAMBÉM PRECISA DE UMA GESTÃO INTELIGENTE DE VIAGENS?

Entre em contato para contratar nossos serviços

Fale Conosco
We are using cookies to give you the best experience. You can find out more about which cookies we are using or switch them off in privacy settings.
AcceptPrivacy Settings

GDPR

  • teste

teste