Qual o impacto da economia colaborativa em viagens corporativas?

Compartilhe este conteúdo:

Quem procura estar atento às novidades e tendências certamente não perdeu o fenômeno da economia colaborativa. Você por acaso já parou para pensar sobre como as iniciativas nesse sentido estão revolucionando as relações de consumo tradicionais? Saiba: o segmento de viagens corporativas não é exceção!

Mas como exatamente a economia colaborativa impacta a forma como as empresas devem lidar com as viagens dos colaboradores? Pois é exatamente esse o tema do post de hoje! Então confira agora mesmo!

Definição de economia colaborativa

Antes de mais nada, uma pergunta: você sabe o que é a economia colaborativa? Se hesitou, pense de novo, porque é bem possível que você conheça esse fenômeno por outros nomes, como consumo colaborativo ou economia compartilhada. Trata-se, basicamente, de um modelo de negócio baseado no compartilhamento entre pessoas.

Existem diversos bens que podem ser compartilhados, desde moradia e automóvel até serviços e informação. O que a empresa por trás dos negócios faz é agregar valor a esse processo, gerando benefícios para as partes envolvidas.

Como é possível perceber, esse fenômeno não tem apenas um peso econômico, mas também um poder social. A economia colaborativa está muito ligada ao avanço do ideal de consumo sustentável, pois o compartilhamento permite que as pessoas adquiram menos bens novos. Temos, assim, um impacto positivo no meio ambiente — com a redução da poluição e da geração de resíduos, por exemplo.

Isso sem falar que as alternativas oferecidas por modelos de economia compartilhada tendem a ser financeiramente mais acessíveis, característica que beneficia principalmente os consumidores de menor renda, reduzindo desigualdades.

Vantagens para as viagens corporativas

Agora que você já sabe o que é a economia colaborativa e quais são seus principais benefícios para o meio ambiente e a sociedade, reflita: será que é vantajoso para uma empresa usar fornecedores que sigam esse modelo de negócio? Podemos destacar aqui 2 principais efeitos para as viagens corporativas: economia e praticidade.

Economia

Como você provavelmente sabe, um quarto de hotel pode custar de 200 a mais de mil reais por noite. Enquanto isso, uma diária no Airbnb, serviço que permite que qualquer pessoa alugue um quarto ou um imóvel pela internet, pode sair por menos de 100 reais! O mesmo vale para aplicativos de táxi, que podem oferecer tarifas até 30% menores no plano corporativo.

Com isso em mente, fica fácil entender como, para uma empresa que precisa enviar seus colaboradores em viagens com certa frequência, essa economia é extremamente positiva. Afinal, deixando de gastar excessivamente pouco a pouco, o montante acumulado ao longo do tempo faz uma diferença e tanto!

Praticidade

Em relação à praticidade, o segredo da economia colaborativa está em seu aspecto tecnológico. Aliás, esse é considerado um de seus pilares, uma vez que o modelo se apoia muito nos dispositivos móveis, nas plataformas on-line, nas redes sociais e nos sistemas de pagamento virtual.

Como resultado, para uma empresa usar serviços da economia colaborativa não é preciso nenhuma negociação, contratos ou burocracias. Na verdade, basta acessar um site ou abrir um aplicativo, a qualquer hora e de qualquer lugar. É, assim, extremamente acessível! Se for preciso fazer uma viagem de emergência, sem tempo para processos administrativos, essa praticidade se mostra ainda mais benéfica.

gestão corporativa banner

Desafios da economia colaborativa

Atenção: uma vez que a economia colaborativa ainda está se consolidando, existem sim imperfeições. O modelo deixa a desejar em relação aos serviços da economia tradicional, principalmente em aspectos como conforto, segurança e variedade.

Conforto

Está lembrado da comparação que fizemos entre o hotel e o Airbnb? Nesse caso, por exemplo, se por um lado a economia é um grande atrativo, por outro, você e sua equipe devem estar prontos para abrir mão dos extras que até o mais simples dos hotéis pode oferecer.

Segurança

Como várias dúvidas sobre a segurança dos serviços oferecidos via economia colaborativa têm sido levantadas, surgiu um movimento para reforçar a confiança dos usuários.

É aí que entram a exigência de documentos para se cadastrar nas plataformas de prestação de serviços e os sistemas de avaliação para banir prestadores mal avaliados.

Variedade

É preciso entender que, embora a tendência da economia colaborativa seja crescente, ela é bem recente. Exatamente por isso, a variedade de serviços disponível ainda é reduzida. Mas esse é um problema que deve se resolver com o passar do tempo.

Integração da economia colaborativa às viagens

Em primeiro lugar, coloque na ponta do lápis a relação entre custo e benefício dessa mudança. Já vimos que é possível economizar bastante com a economia colaborativa, mas até que ponto essa economia compensa os desafios de sua implementação? Se você chegar à conclusão de que realmente vale a pena alterar a política de viagens corporativas da empresa, ótimo! Só procure fazer uma transição progressiva, ok?

Para começar, escolha uma única opção. Um bom ponto de partida é adotar a Uber corporativo como alternativa de traslado. Essa é uma mudança que não causa tanto impacto, uma vez que a maioria das pessoas já usa o aplicativo para fins particulares. Observe se a equipe vai aderir à proposta e se surgirão problemas em relação à qualidade e à confiabilidade do serviço.

Tenha sempre em mente que, mesmo que o serviço em si seja bom e traga vantagens, você pode enfrentar alguma resistência por parte dos colaboradores — especialmente aqueles que não possuem um perfil tolerante a riscos e flexível com mudanças.

Pense também em como a implementação dessa alternativa vai impactar a política de reembolso da empresa. Felizmente, como esses serviços já nascem digitais, todos os recibos podem ser emitidos e enviados por e-mail. Isso certamente facilita o reembolso, o que acrescenta mais um ponto positivo para a economia colaborativa no que se refere a viagens corporativas.

Ainda é preciso considerar quais medidas adicionais serão necessárias para garantir a segurança dos colaboradores no uso de serviços de hospedagem e transporte nos moldes da economia colaborativa. Quais são os procedimentos a tomar se o funcionário sofre um acidente durante uma viagem em um carro da Uber, por exemplo?

Como você viu, a economia colaborativa pode ser a solução de que sua empresa precisa para simplificar as viagens corporativas. Basta saber como implementar e organizar seu uso no dia a dia, por meio de uma política de viagens eficiente!

E que tal descobrir mais alternativas para viabilizar as viagens corporativas? Assine a nossa newsletter e fique a par dos novos conteúdos do blog!

Posts Relacionados

Rolar para cima